Sobrevivente – Chuck Palahniuk

1240122_580837318643490_413891496_n

Quanto mais livros do Chuck Palahniuk eu leio, mais eu percebo que são muitas coisas iguais ditas de maneiras diferentes. Lendo Sobrevivente, segundo livro do autor, eu tive inúmeras sensações de já ter lido o livro, de saber o que iria acontecer e por que motivo iria acontecer. Inicialmente culpei o livro por essa previsibilidade, pois eu queria o novo, o inesperado. Apesar de o tipo de escrita do Palahniuk me agradar muito, eu queria ler alguma coisa nova. Então percebi que o livro não é tão previsível por si só.

Continuar lendo

Anúncios

[Resenha] O Guia do Mochileiro das Galáxias

O Guia do Mochileiro das Galáxias é um livro sobre vida, universo e tudo mais. Sendo apenas o primeiro, de uma trilogia de cinco, a obra já vendeu mais de 15 milhões de exemplares só no planeta Terra!

O que tem de tão interessante para tanto sucesso de vendas?

Douglas Adams, o autor, apresenta pelo menos três pontos que quero citar aqui, que são motivos pelos quais existem tantos apaixonados pela série: improbabilidade, criatividade e humor. É claro que a divisão esses três pontos é puramente didática, já que a genialidade se evidencia na junção desses e de outros fatores muito bem explorados pelo autor.

Continuar lendo

Cantiga de Ninar – Chuck Palahniuk

Estou contando 1, contando 2, contando 3…

Provavelmente vocês não vão encontrar uma resenha curta melhor que a do Bruno Bianchi, mas tive vontade de escrever a minha, então cá estou eu.

Tive a sorte de conhecer o contexto em que o livro foi escrito antes de lê-lo. Sorte porque foi acidental, eu não estava procurando resenhas para saber se lia o livro ou não. Caí no blog O Homem Silencioso e isso aqui me chamou muita atenção:

“Palahniuk, na época em que começou a escrever Cantiga de Ninar, iria decidir se o assassino de seu pai seria condenado à morte. E o livro possui uma ideia muito semelhante ao que passava pela cabeça do escritor na época: quais as consequências do poder?” (achei no blog O Homem Silencioso)

E não é qualquer tipo de poder, é o poder da palavra.

Continuar lendo